Azul e Branco

Azul e Branco

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

FC Porto 2 - 2 EAPI (equipa alemã por identificar)

Para não variar, aqui estou eu a escrever mais uma crónica a um jogo do FC Porto quando a minha vontade era estar aqui apenas a debitar todos os palavrões que aprendi aquando da minha passagem pelo futsal da Biquinha. Enfim, a revolta com o estado a que chegou o FC Porto é tão grande que não acredito que vá conseguir dizer tudo o que me vai na alma em palavras, razão pela qual deixo aqui uma imagem daquilo que que está a acontecer ao nosso clube:



Quanto ao jogo, quero dizer que a primeira parte do FC Porto teve alguns (não muitos) momentos agradáveis e umas quantas jogadas com princípio, meio e fim. Comparando com aquilo a que temos assistido esta época, até nem estávamos a jogar mal. O momento alto estava reservado para Quaresma que levantou o estádio (isto é, levantou os poucos adeptos que ainda lá vão...) com um golo tirado a papel químico daquele que tinha marcado ao Benfica há uns anos. Ao intervalo, o resultado do marcador ajustava-se ao que se tinha passado no relvado.


O pior veio no segundo tempo. Os azuis e brancos entraram nitidamente a dormir na segunda parte e os alemães passaram a controlar o meio campo, optando o FC Porto por transições rápidas para chegar à baliza do guarda redes da EAPI. Isto é, quando devíamos controlar a bola e o jogo, fazendo os alemães correr atrás dela e aproveitando os espaços que se abririam na sua defesa, foram eles que tomaram conta da intermediária. Brilhante! Paulo Fonseca optava por uma das suas duas posses características enquanto assistia ao descalabro: braços cruzados ou a bater palmas a disparates.


O FC Porto acaba por chegar ao segundo golo por Varela contra a corrente do jogo. O Drogba da Caparica, que até estava a ser dos jogadores menos em evidência nos dragões, aproveitou um remate mal direccionado de Maicon após um ressalto na área para empurrar para o fundo das redes. Estava feito o 2-0 e os dragões tinham tudo para conseguir um resultado confortável ou pelo menos para manter o que tinham alcançado. 

Infelizmente, o que se passou a seguir foi demasiado mau para ser verdade. Paulo Fonseca tirou Josué e colocou Carlos Eduardo. Se o meio campo já estava em sub rendimento, com a entrada de CE20 (sem ritmo após a lesão) pior ficou. Os alemães carregaram e reduziram por Joselu. O desnorte apoderou-se dos jogadores e não mais vimos jogadas bem elaboradas até ao final. Se o 2-1 já dava muitas esperanças aos alemães para a segunda mão, o 2-2 alcançado pouco depois torna a nossa viagem ao terreno da EAPI um autêntico pesadelo. 

Com o empate no marcador, Paulo Fonseca recorreu à sua alteração fetiche e fez entrar Ghilas perto dos 85m. O substituído foi Fernando e a desorganização a meio campo tornou-se absolutamente ridícula... As coisas estavam tão descontroladas e o treinador tão perdido que se deve ter esquecido que ficou uma substituição por fazer e Quintero nem saiu do banco...

Se o que se passou em campo já era suficiente para deixar qualquer um revoltado ou deprimido (confesso que com este treinador passo muito facilmente de um estado para o outro), o que assistimos na flash interview deixou-me absolutamente perplexo e escandalizado. Estava à espera da habitual análise lunática aos acontecimentos e que Paulo Fonseca dissesse que: "O Frankfurt é uma grande equipa, mas nós fomos Porto do princípio ao fim. Eles marcaram nas únicas duas vezes que passaram o meio campo. Tenho uma confiança cega que vamos ganhar na Alemanha, razão pela qual nem precisei de gastar as substituições". O que na realidade vi, foi ainda pior:


Como é que é possível um treinador não conseguir perceber qual é a equipa adversária? O JJ chiclas não sabe falar, mas ao menos sabe quem é o adversário. Pode dizer Manster Naite, mas ao menos não diz que o adversário é o Dortmund, Bayern ou o Leverkusen quando joga com o Frankfurt. Antes do jogo suspeitava que o adversário não tinha sido suficientemente estudado (Alex Sandro admitiu que não conhecia os alemães), hoje tenho a certeza que essas suspeitas tinham razão de ser.

Obviamente que a eliminatória não está perdida. O FC Porto, mesmo com este destreinador, tem muito melhor equipa que o 12.º classificado da Bundesliga que apresentou um jogador mais gordinho que eu no meio campo. Podemos conseguir o apuramento, mas será difícil. A pergunta que se coloca é: será bom passarmos e apanharmos o Nápoles? Tenho dúvidas.

P.S. 1: Hoje quando procurei as capas dos jornais desportivos tinha a esperança de ler a notícia que Paulo Fonseca já não é o treinador do FC Porto. Infelizmente, AINDA não foi hoje. Continua só a não ver quem não quer.






P.S. 2: Os adeptos da EAPI são realmente de outro mundo...












2 comentários:


  1. caro Tiago,

    no fundamental:
    penso que ganhámos todos com a exibição desta Quinta-feira, i.e., que, nos dias que correm, o nosso Portismo está a ser testado diariamente.
    teremos que ser fortes o suficiente para sucumbir à «gloriosa» tentação de passarmos a duvidar de tudo e de todos no nosso clube do coração.

    somos Porto!, car@go!
    «este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

    abr@ços
    Miguel | Tomo II

    ResponderEliminar
  2. Caro Miguel, eu não duvido de tudo e muito menos de todos. Continuo a achar que temos o melhor presidente do mundo, que o director desportivo é bom, que o plantel é de qualidade e por aí fora.

    Agora, infelizmente não temos treinador e é só isto que digo há meses (desde finais de Outubro!!).

    Não tenho dúvidas que VP ou AVB fariam o dobro com este plantel.

    http://lateral-esquerdo.blogspot.pt/2014/02/fcp-versao-paulo-fonseca.html

    http://lateral-esquerdo.blogspot.pt/2013/02/fc-porto-x-malaga.html

    Um abraço,
    Tiago

    ResponderEliminar