Azul e Branco

Azul e Branco

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Antevisão FC Porto - Bayern - Façam história miúdos

Nota prévia: Como luso-alemão sigo o campeonato alemão como o português. Sou adepto fervoroso do Karlsruhe, equipa da 2ª divisão alemã. Em relação ao adversário de quarta para a Champions, tenho um sentimento: Gosto deles tanto como do nosso principal adversário dentro de portas, que partilha a cor vermelha: só gosto deles a perder.



Quem pensa num jogo nosso contra o clube todo-poderoso da Alemanha lembra-se forçosamente da mítica final de Viena. Os mais "experientes" (não vou chamar velho a ninguém ;) ) entre os nossos leitores lembram-se certamente de ver ao vivo o mítico jogo de 1987, do calcanhar de Madjer e do Juary a festejar à beira da bandeirola de canto de joelhos, com os braços no ar a agradecer a Deus. Eu ainda não tinha grande capacidade para absorver o jogo com os meus 2 aninhos de idade, mas o meu pai, alemão e um grande Portista, filmou o jogo. Sim, filmou o jogo que estava a passar na TV com a sua câmara de vídeo, para mais tarde podermos (eu e o meu irmão) recordar. Aqui fica uma versão mais atualizada do que se passou há 18 anos.
Mas também é difícil esquecer a eliminatória de 2000, num jogo em que empatamos a segunda eliminatória aos 90' e sofremos logo a seguir o golo que nos eliminaria da prova. Lembro-me bem dum comentário do meu primo sobre o árbitro da segunda mão: "Este cabrão do Dallas, dá-las só para um lado". Espero que o árbitro não seja o centro das atenções durante a eliminatória...


Chega de nostalgia, vamos ao que interessa, o jogo de quarta. Comecemos pelo Porto: Depois de 2 jogos na Madeira não muito bem conseguidos (para não dizer pior), vieram duas vitórias tranquilas, onde voltaram a impor o seu futebol. Não estamos a falar (nem de perto) de adversários ao nível de um Bayern, mas não se pode dizer que o jogo em Vila do Conde eram favas contadas. O 11 inicial não deverá mudar muito em relação ao apresentado frente ao Rio Ave; Jackson parece que continua de fora (nem que já esteja a treinar a 100% duvido que entre num jogo deste calibre após uma lesão tão prolongada) e certamente irá fazer-nos muita falta. Marcano estará de fora por acumulação de amarelos e entrará Maicon para o lugar dele. Maicon terá que estar no melhor das melhores da sua forma e mesmo assim não sei se chega (não sou o maior fã dele...). De resto deveremos ter Danilo e Alex Sandro a laterais e Indi ao lado de Maicon, Casemiro a trinco, com Herrera e Oliver mais à frente, Quaresma e Brahimi nas alas a assistirem Aboubakar. Agora fica a dúvida: como abordar o jogo?



Acho sempre que devemos ser nós a impor o nosso jogo e não adaptarmos-nos ao jogo do adversário. Obviamente que é sempre necessário uma certa adaptação, mas a base do jogo tem que ser nossa. Neste caso é trocar a bola nas nossas linhas até encontrar uma brecha na defesa adversária e manter a pressão alta quando perdemos a bola (atacar logo com 2 jogadores o portador da bola). E isto é tudo muito bonito, mas quando o adversário é treinado por Guardiola isto pode dar muita asneira, pois por norma as equipas dele rodam melhor a bola que nós, pressionam mais e correm mais (para além dos jogadores terem uma melhor qualidade individual). Por isso peço para esquecerem os bitaites clássicos de treinadores de bancada (do estilo das que escrevi há 3 frases atrás). Esqueçam o que acham melhor e o pensam que devia ser feito. Vamos confiar no Lopetegui. Tenho a certeza que anda a estudar este jogo desde o sorteio, anda a ver a melhor abordagem táctica e a melhor maneira de sair vencedor na quarta e na eliminatória. A equipa técnica e os jogadores devem ter visto inúmeros vídeos de jogos deles e analisado tudo ao pormenor. Os nossos 11 jogadores serão relativamente jovens e a maior parte com pouca rodagem nestas andanças, mas estou confiante que farão tudo para atingir o melhor resultado possível e terão a lição muito bem estudada.


Vamos agora ao nosso adversário. Comecemos pela lista de lesionados: Robben, Ribbery, Schweinsteiger, Alaba e Javi Martinez e Benatia. Isto até parecem boas notícias, mas olhando para os que "sobram" podemos concluir que a qualidade dos substitutos não é inferior aos que não vão jogar. Xabi Alonso, Götze, Thiago, Müller, Lewandowski e afins seriam titulares indiscutíveis na nossa equipa. E jogando com estes jogadores não os fará mudar o sistema de jogo: posse de bola, muitos passes curtos, pressão dentro do meio-campo adversário e jogar sempre no erro do oponente. Teremos que estar muito concentrados, ser estupidamente eficientes (que infelizmente não tem sido o nosso forte) e não fazer erros na defesa (algo que acontece com muita frequência).



Venha quarta. Venha o Bayern. Vamos encher o Dragão e não calar-nos o jogo todo. Eu acredito.


Façam história miúdos.

2 comentários: