Azul e Branco

Azul e Branco

sábado, 11 de abril de 2015

Crónica Rio Ave - Porto

Depois da goleada ao Estoril, seguiu-se uma vitória ao Rio Ave. No terreno onde o nosso principal rival perdeu há umas semanas, a vitória era o único resultado que interessava para nos manter na corrida pelo título. Num terreno tradicionalmente complicado, o Porto finalmente entrou como temos pedido nos últimos jogos e não se tem concretizado: com vontade de "arrumar" o jogo o mais cedo possível. E tal só não foi possível devido a uma vista algo incrível do fiscal de linha (que dia miserável que apanhou). Mas já lá vamos.


O Porto alinhou no seu 4-3-3 clássico, com o 11 esperado (Indi estava de fora dos convocados, Maicon entrou para o lugar dele). O Porto entrou forte e imperial, apostando nas principais qualidades que tem demonstrado ao longo da época: futebol apoiado, muita troca de bola, muita triangulações de modo a criar várias oportunidades de perigo. Aos 8 minutos Brahimi faz balançar as redes adversárias, mas o auxiliar anula o golo por fora de jogo. Segue a imagem do lance. É, para mim, absolutamente inacreditável como é que o fiscal, na posição em que se encontra e com a visão que tem, marca fora-de-jogo. Jogadas em jogo corrido, com movimentações inversas dos jogadores e passes compridos podem realmente ser difíceis de ajuizar. Neste caso não entendo mesmo.



O Porto não se deixou abalar e continuou a jogar bom futebol. Oito minutos depois, Quaresma tem uma oportunidade soberba de inaugurar o marcador (outra vez) mas conseguiu o mais difícil, que foi falhar a baliza. Pouco depois o fiscal de linha volta a estar no centro das atenções. Quaresma remata à barra, a bola sobra para o meio da área, onde aparece Danilo a recuperá-la e é varrido pelo adversário. A falta é bem assinalada, mas o fiscal decidiu outra vez não ver um fora-de-jogo do tamanho de uma montanha. Se foi para compensar um erro com outro, acho que é a pior coisa que pode fazer. Pode ter chegado à conclusão que errou no primeiro lance, mas isso não dá direito a errar outra vez, para compensar. Este fiscal nunca mais deveria pôr os pés num relvado.

Até ao intervalo, o Porto continuou com o pé no acelerador até que Danilo marcou um belo golo mesmo no final da primeira parte. O jogo parecia resolvido. A entrada na segunda parte mostrou mais do mesmo, com o Porto a jogar bem e a controlar, a criar ocasião atrás de ocasião mas a não concretizar. O tempo ia passando e os pensamentos iam divagando para quarta. Quaresma é substituído (mais um grande jogo, apesar do falhanço) para gerir esforço e o Porto controlava. Aparentemente. Do nada, surgiu o golo de Tarantini que fez tremer os nossos Dragões (Danilo não esteve bem na fotografia...). Sem criar ocasiões, o Rio Ave ia-se aproximando cada vez mais da área portista, deixando os adeptos cada vez mais nervosos. Até que Aboubakar recupera uma bola no meio campo adversário e serve Hernani de bandeja. Estava feito o resultado final. Havia tempo para um amarelito para Herrera e Danilo, mas não se concretizou, sabe-se lá porquê. Na próxima semana não podem levar amarelo, veremos o que Lopetegui decidirá.



Missão cumprida, 3 pontos em casa. Pena não termos estado a ganhar por 3 ou 4 aos 70' como merecido e pena a falta de limpeza de amarelos. Melhor jogador em campo, para mim, mais uma vez Quaresma. Está numa das melhores fases da carreira, muito inteligente em campo, a aliar à qualidade natural que tem. Também gostei muito de Oliver, mas desse gosto sempre :)

Agora sim, finalmente, toda a concentração para quarta, venha esse todo-poderoso Bayern.


Sem comentários:

Enviar um comentário