Azul e Branco

Azul e Branco

segunda-feira, 11 de maio de 2015

FC Porto 2 - 0 Gil Vicente: Objectivos alcançados

Os Dragões venceram o Gil Vicente ontem ao final da tarde por duas bolas a zero e não permitiram que o Benfica concretizasse aquilo que já estava decidido ainda antes do campeonato começar. O jogo correspondeu às expectativas: pouco interessante, pouco intenso, de sentido único e de vitória anunciada. Um jogo tipicamente de final de temporada cuja principal nota positiva foi o bis de Jackson Martinez, o que permitiu ao colombiano distanciar-se de Jonas e Lima no topo da lista dos melhores marcadores, Quanto à equipa "orientada" por José Mota, e depois de mais uma exibição do Gil Vicente que fez jus à classificação que ocupa na tabela, é com muita satisfação que vejo que só um milagre fará os barcelenses alcançarem a manutenção

Julen Lopetegui lançou de início o 11 "adiantado" por este estaminé. Os Azuis e Brancos não tiveram uma entrada em jogo fulgurante, mas cedo chegaram ao primeiro golo. Jackson Martinez, lançado por Maicon, foi travado em falta na área (falta evidente, ficando apenas a dúvida se a infracção terá sido fora ou dentro da área - parece-me que penalti foi bem assinalado). No entanto, Ricardo Quaresma não conseguiu bater Adriano e o Estádio do Dragão pensou que teria de esperar mais um pouco até poder festejar o primeiro golo da partida. Puro engano. Na sequência do lance, a bola acabou por sobrar para o número 7 Portista na direita do ataque e o "Cigano" arrancou um cruzamento milimétrico para a cabeça de Jackson Martinez ao segundo poste não dar hipóteses ao guardião contrário. "Melhor assim", pensei!

O jogo entrou depois numa toada lenta e o intervalo chegou com a diferença mínima no marcador. Lopetegui não estava satisfeito com o rendimento da equipa e logo no começa da étapa complementar fez entrar Rúben Neves e Evandro para os lugares de Casemiro e Herrera, o que melhorou substancialmente a performance do conjunto Portista. As oportunidades de golo começaram a surgir com frequência mas o placard só voltou a sofrer alterações perto do apito final. Já com Tello em campo, Quaresma tirou um centro da direita, a defensiva gilista não conseguiu afastar a bola da área e Jackson Martinez protagonizou o momento do jogo, bisando com um espectacular pontapé de bicicleta. O matador colombiano ainda não abandonou o FC Porto e eu (assim como 99% dos Portistas) já tenho saudades do nosso melhor jogador!

Em resumo, objectivos alcançados: vitória e consolidação de Jackson Martinez na tabela de melhores marcadores. Se em termos exibicionais podemos dizer que a equipa alternou o muito bom com o medíocre, já em termos de resultado final a ideia que fica é que a diferença peca por muito escassa. Quanto a destaques individuais, o MVP vai indiscutivelmente para Jackson Martinez. Destaques positivos ainda para Quaresma, Danilo e para a entrada de Rúben Neves. Pela negativa, saliento as displicências de Alex Sandro e o jogo menos conseguido de Herrera.

PS: Isto chega a ser repetitivo, mas estou novamente encantado com a performance de Lopetegui na conferência de imprensa pós-jogo. Haja alguém no clube que não tenha medo de denunciar a pouca vergonha que foi este campeonato. Tal como Lopetegui, eu também não me esqueço da escandaleira que foram as primeiras 20 e poucas jornadas desta liga. O basco pode não ser perfeito (e não o é), mas é o meu treinador (vão lá procurar quantos treinadores do FC Porto encontram com 78 pontos em 32 jogos - não vão encontrar muitos e não sei se encontram algum com tantos pontos sem ser campeão!).

sábado, 9 de maio de 2015

Antevisão FC Porto - Gil Vicente: Só nos resta ir vencendo

Com o campeonato a caminhar rapidamente para o seu final e com tudo decidido no topo da tabela (quanto ao topo da tabela parece-me que tudo já estava decidido ainda antes do campeonato sequer ter começado), compete ao FC Porto ir vencendo os seus jogos e tentar adiar os festejos encarnados enquanto tal lhe for possível. Os Dragões recebem amanhã às 19h15 o Gil Vicente e, depois da vitória de hoje do Benfica, pouco ou nada estará em jogo para os azuis e brancos. Resta, assim, vencer, ser digno, lutar até final e, se possível, ajudar Jackson Martinez a sagrar-se rei dos goleadores.
As recepções ao Gil Vicente são, historicamente, muito acessíveis e o jogo de amanhã não deverá fugir à regra. Os comandados de José Mota formam um conjunto bastante débil, com muitas dificuldades em marcar golos e com uma defesa que deixa muito a desejar. Ao FC Porto exige-se que comprove dentro das quatro linhas o favoritismo que lhe é atribuído e que presenteie os espectadores com uma boa exibição e com a conquista dos três pontos. Importa, ainda, referir que os gilistas estão numa posição extremamente complicada na classificação e tudo irão fazer para não sair sem pontos do Estádio do Dragão. 
Lopetegui promoveu algumas alterações em relação à convocatória do jogo com o Vitória de Setúbal e fez regressar aos eleitos Danilo, Tello e Reyes para os lugares de Ricardo, Hernani e Marcano. É expectável que o treinador basco lance de início a equipa habitual: Helton, Danilo, Maicon, Martins Indi, Alex Sandro, Casemiro, Herrera, Oliver, Quaresma, Brahimi, Jackson Martinez.

PS: Depois da notícia do Maisfutebol publicada a meio da semana (a qual referia que este Super Benfica está a caminho de superar o razoável FC Porto de Mourinho), eis que hoje vemos que a máquina trituradora encarnada bateu o recorde de golos marcados do século XXI. Cada vez mais acredito que isto faz todo o sentido. Nunca na minha vida tinha visto uma equipa tão forte como esta e os resultados comprovam-no. Palavras para quê?


segunda-feira, 4 de maio de 2015

Vitória de Setúbal 0-2 FC Porto: Finalmente 3 pontos a Sul

O FC Porto deslocou-se ontem ao Estádio do Bonfim para defrontar o Vitória de Setúbal em jogo a contar para a 31ª jornada do campeonato. Com a vitória do Benfica em Barcelos na véspera, a partida frente aos sadinos (por que raio é que jogámos depois do Benfica?), assim como os restantes encontros até final da temporada, quase que serviu apenas para cumprir calendário. Infelizmente, o título está entregue e o segundo lugar já não nos vai fugir, o que se traduz em dificuldades acrescidas para Lopetegui conseguir motivar os jogadores e adeptos. 

Surpreendentemente, a equipa entrou forte no jogo e não pareceu muito afectada com o resultado do rival na véspera. Lopetegui optou novamente pelo 11 em melhor forma (excepção feita a Ricardo, que substituiu o castigado Danilo e ao fetiche Maicon - Helton, Ricardo, Maicon, Marcano, Alex Sandro, Casemiro, Herrera, Oliver, Quaresma, Brahimi e Jackson) e colocou a equipa a jogar no esquema táctico que melhores resultados trouxe este ano. O primeiro golo surgiu naturalmente, com Brahimi a concluir um centro de Ricardo após boa jogada colectiva pela direita. O FC Porto não abrandou e procurou o segundo golo com convicção, apesar da excessiva dureza dos adversários e da inenarrável actuação do árbitro Marco Ferreira, que tudo fez para impedir a vitória dos azuis e brancos. Alguém consegue explicar como é que uma equipa que passou o jogo a atacar e teve 70% de posse de bola acaba o jogo com 20 faltas assinaladas contra 10 do adversário? Pois, eu também não.

A segunda parte trouxe um FC Porto mais frouxo e menos concentrado e um Setúbal a mostrar novamente porque é que é uma das 4 equipas ainda em risco de descer de divisão. Lopetegui não ajudou e voltou a colocar um médio no lugar de um extremo (Evandro por Quaresma), como que passando a mensagem de que o importante era aguentar a vantagem ao invés de tentar ampliar o resultado. Substituição falhada e 25 minutos finais decepcionantes. Curiosa esta recente viragem para um 4-4-2, que tão maus resultados tem trazido, com Oliver a colar-se à linha quando temos a posse de bola...
Já sobre o apito final, Jackson Martinez acabou por fechar a contagem, concluindo com o pé esquerdo uma boa assistência do mexicano Herrera. Os Dragões regressavam aos triunfos para o campeonato em jogos a sul do Mondego, algo que já não acontecia desde Agosto de 2013. Faltam agora três encontros para terminar a época (recepções ao Gil Vicente e Penafiel + deslocação ao Restelo) e compete-nos vencê-los, adiando ao máximo os festejos do Benfica e ajudando Jackson a ser coroado novamente como Rei dos Goleadores.