Azul e Branco

Azul e Branco

sábado, 18 de novembro de 2017

FC Porto 3 - 2 Portimonense: Paciência, guardem lá as canas...

...que ainda não foi desta que o FC Porto perdeu um jogo para as competições domésticas!

Num jogo a contar para a 4a ronda da taça de Portugal, depois da pausa para os compromissos das seleções e antes de mais um jogo fulcral para as competições europeias, Sérgio Conceição optou, e quanto a mim bem, por lançar de início os jogadores em quem mais tem confiado de entre os que estavam disponíveis (Herrera e Marega estão lesionados e Brahimi apenas chegou ontem de África - sobre Hernani falaremos mais para a frente). O adversário desta noite já havia demonstrado no jogo a contar para o campeonato que é uma das boas equipas da nossa liga e convinha não facilitar para não se repetir o descalabro do ano passado (sim, eu também me lembro que a eliminação do ano passado teve a assinatura do padre João Capela).

E a verdade é que, mesmo sem facilitar, as coisas estiveram muito muito complicadas. Apesar de termos entrado em jogo praticamente a vencer (Danilo abriu o marcador na sequência de um canto de Alex Telles), o Portimonense, comandado pelo seu pequeno nipónico, não baixou os braços e deu água pela barba à defesa do FC Porto. O jogo entrou numa toada de parada e resposta, o que é algo a que o FC Porto não está habituado, e tanto podia ter acontecido o 2-0 como o 1-1. Acabou por acontecer o 1-1, num lance em que vários jogadores portistas ficaram muito mal na fotografia, resultado com que se chegou ao intervalo.

Para a segunda parte, Sérgio Conceição trouxe os mesmos 11 que iniciaram o jogo e esperava-se que a prestação dos azuis e brancos mudasse para melhor. Puro engano, o jogo mantinha uma toada de equilíbrio anormal e o nosso treinador acabou por ser obrigado a colocar em campo o melhor jogador a actuar em Portugal: Brahimi. A mudança operada acabou por não surtir efeito imediato, até porque o Portimonense passou para a frente do marcador pouco depois com um golo monumental de fora da área.

Ora bem, isto posto, ficámos perante um cenário novo nas competições internas esta época. A perder. Aos 70m de jogo. Num jogo a eliminar. Numa noite de pouca inspiração. E sem grandes soluções no banco. O Portimonense começava a acreditar que podia ser O tomba gigantes desta edição da Taça de Portugal e os adversários esperavam que o FC Porto tremesse e caisse.

Mas eis que o Estádio do Dragão acordou e começou a empurrar a equipa para o empate. Quem me lê sabe que, por norma, não valorizo muito aquilo que acontece nas bancadas e que também não dou grande importância a factores como a raça e a garra porque acredito que não é isso que faz uma equipa ter qualidade e ser ganhadora. Mas também sei que há dias em que a inspiração e a concentração não "estão lá" e que é necessário ir atrás do resultado pelo coração, pela vontade, pelo "antes quebrar que torcer" e hoje era um desses dias. Um dia em que adeptos, jogadores e equipa técnica tinham de remar todos para o mesmo lado para alcançar os seus objectivos. E assim foi.

Aboubakar empatou o jogo em cima do minuto 91 após um brilhante passe de Alex Telles a rasgar a defesa algarvia (segunda assistência do brasileiro) e Brahimi concluiu a reviravolta à passagem do minuto 95, após boa desmarcação do recém entrado André Pereira. Pouco depois Artur Soares Dias apitava para o final do encontro e o FC Porto carimbava a passagem à 5a eliminatória da Taça de Portugal. Foi uma vitória suada, difícil e valorizada por um excelente Portimonense (onde andam aqueles que há pouco tempo diziam que o Portimonense é um clube amigo e que abria as pernas ao FC Porto?) que talvez merecesse ter caído apenas no prolongamento.

Positivo: não me parece justo destacar nenhum jogador em particular, uma vez que não me parece que tenha existido algum jogador a apresentar-se a um nível muito elevado.

Negativo: repito o que disse na análise ao jogo com o Belenenses. Este Hernani parece estar a fazer tudo ao seu alcance para não ter mais nenhuma oportunidade. Mais um jogo em que coleccionou disparates, más decisões, desconcentrações defensivas e falhas técnicas. Na minha opinião, Hernani dificilmente alguma vez será jogador para o Porto, mas também é impossível ser tão fraquinho como tem aparentado ser. Se existissem muitas soluções ofensivas no plantel, isto seria um não assunto. Mas como não existem...

Curiosidade: titularidade de Iker. Segundo Sérgio Conceição, Iker saiu da equipa porque treinou mal na última pausa para os compromissos das seleções. Tinha o feeling que Iker recuperaria a baliza se treinasse bem na paragem seguinte. Hoje jogou de início, mas o jogo era de taça. ficará na baliza na Turquia? a ver. Penso que a sua experiência será importante num jogo em que convém mesmo pontuar.

PS: tantos memes e posts de facebook que se perderam com aquele golo do Aboubakar. Fica para outra vez, paciência. Por falar em Paciência, pode ser que fique já para amanhã

PS 2: o clube corrupto da segunda circular que acelera em direção à 2a divisão apressou-se a comentar a arbitragem. sim, depois do que se viu no slb-portimonense, o clube do polvo tem a lata de falar da arbitragem de hoje e de voltar a falar do apito dourado. eu ainda fico parvo, mas depois lembro-me que quem escreve estes textos para o slb é a mesma pessoa que escrevia os textos para José Sócrates e não deixo de me rir com as ironias da vida

Sem comentários:

Enviar um comentário